Uma actividade com raposas

Nem sempre consigo arranjar alternativas ao consumo, mas vou tentando e fico muito feliz quando consigo arranjar uma forma de fugir a isso e sou bem-sucedida. Por exemplo, nos anos da Alice. Como fez anos a um domingo, teve direito a festinha cá em casa. Como o dia seguinte era o dia nacional do Pijama, não fazia muito sentido ir cantar os parabéns à escola dois dias depois. Pelo menos na minha cabeça não fazia sentido. Queria também fugir ao costume de oferecer aos outros meninos da sala saquinhos cheios de gomas e chocolates. Elas já comem tantos doces que nós não conseguimos controlar, como nas festas de anos, em casa dos avós, dos amigos, do tio, na escola (!), que não vou ser eu a criar mais uma oportunidade de estragarem os dentes. Mas, apesar de não ir cantar os parabéns nem distribuir saquinhos de doces, queria fazer alguma coisa, assinalar os anos da Alice também na escola, fazê-la sentir-se especial mais uma vez. E tive uma ideia.

Como o tema da festa da Alice foi a raposa, lembrei-me de ir à sala dela contar uma história sobre uma raposa e depois fazer, com os meninos, uma máscara de raposa. É claro que, nestas idades, a única tarefa das crianças foi pintar a máscara.

A maior dificuldade que encontrei foi arranjar uma história sobre uma raposa. Simplesmente não há histórias de raposas (para esta idade) em que as raposas sejam as protagonistas e, ainda por cima, boazinhas. As raposas andam sempre atrás de galinhas e coelhinhos fofinhos para os comerem… Fui à biblioteca pesquisar sobre o assunto e, coincidência das coincidências, cheguei em plena Hora do Conto, precisamente na altura em que se estava a ler uma história sobre uma… raposa! Só podia ser um bom sinal. Era uma história muito divertida sobre uma raposa cheia de fome, mas que acaba por não conseguir comer nada devido à esperteza dos animais da quinta que a enganam bem enganada. Metia vários sons de animais e achei que seria ideal para ler a um grupo de miúdos com 3 anos. A história chama-se “Quem será o meu jantar?” e é mesmo muito engraçada.

quem-sera-o-meu-jantar

Depois disso, foi preparar vinte máscaras de raposa em casa, para no dia estarem prontas para pintar e colar. Retirei o molde da Internet (não guardei o link, mas é fácil encontrar) e passei o molde em cartolina branca. Depois foi passar um serão a recortar…

Precisei de:

  • Cartolina branca
  • Molde da máscara de raposa
  • Lápis e tesoura
  • Pauzinhos de espetada de madeira de tamanho médio
  • Pistola de cola quente
  • Fita-cola (tem de ser à prova de muitos abanões por miúdos de 3 anos)

 

mascaras-raposa

Foi um sucesso. Pelo menos foi a impressão com que fiquei. Os miúdos estiveram muito atentos e participaram activamente na história e nas perguntas que ia fazendo para os manter curiosos e atentos.

Depois cada um pintou a sua máscara e, à medida que iam terminando, eu ia colando o pauzinho na parte de trás. No fim tirámos uma fotografia em grupo, todos atrás das suas raposas. No final do dia, quando fui buscar a Alice, foi giro ver os meninos a mostrarem orgulhosamente as suas máscaras aos pais. Ficaram, assim, com uma recordação da Alice que podem usar para brincar até estragar e depois é perfeitamente reciclável ou biodegradável. Sem açúcar e sem lixo!

E a Alice, claro, adorou ter a mamã na sala! Só por isso valeu tanto a pena!

Quem será o meu jantar

mascara-raposa

Posts relacionados

2 comments

  1. Há uma história deliciosa do IKEA sobre uma raposa. Chama-se “A pequena raposa” e quando eu era pequena o meu pai contava-me todos os dias a história do pequeno raposinho e da cobra má… 🙂 Era uma novela. Todos os dias a história evoluía. A raposa era a heroína!!! Talvez por isso adoro raposas e não gosto mesmo nada de galinhas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *