Às quartas na net

A fazer as malas para Berlim, não posso deixar de partilhar alguns dos artigos que li e guardei nas últimas semanas:

  • Este site foi essencial na selecção de algumas actividades para fazer com a Inês em Berlim, uma espécie de guia bloguístico em inglês para famílias a viver em Berlim.
  • Sigo a Lee From America no Instagram e ela publicou recentemente um post sobre como manter uma rotina saudável de sono numa altura em que não ando a dormir lá muito bem…
  • Calças de ganga rasgadas? E que tal aplicar um patch em crochet? É fácil, vejam aqui.

Jeans that have been patched with lace crochet doilies. Such a fun boho style! Full how to tutorial from Make & Do Crew.

  • Já falei da Marie Kondo, a guru do destralhar e da organização doméstica, no meu outro blog. Continuo a dobrar a roupa como ela ensina e a achar que é a melhor forma de poupar espaço no roupeiro. Por isso, achei muita piada a este artigo, em que o nome dela já é usado como verbo… Should You Kondo Your Kids? Por outras palavras, é possível manter uma casa arrumada com crianças??
  • Por último, um artigo sobre o jejum intermitente que o Tiago publicou no Facebook no outro dia. Sendo ele adepto do jejum intermitente, até eu já comecei a tentar estar 13 horas sem comer, o que me obriga a afastar-me do frigorífico a partir do jantar e a abolir do meu dicionário termos como “ceia” ou “repasto noturno”. Diz que estabiliza os picos de insulina. Mas há muito mais em jogo. Talvez um dia fale aqui sobre isto. Promessas…

 

Às quartas na net

  • Uma fotógrafa que fotografa as vidas de uma série de blogues que sigo – que não são aqueles blogues da Carlota, são os outros, como nós, vão lá ver.
  • Sugestões de picnics saudáveis (também para levar para a praia), minimalistas e desperdício zero.
  • O primeiro de cinco artigos sobre famílias sustentáveis. A primeira é da Serra da Estrela.
  • Um artigo divertido sobre um casal que podia ser o meu, mas invertido (ele arrumado, ela um caos autêntico) e como ela passou aprender a ser organizada para salvar o casamento. Isto pode ou não ser uma dica para alguém… Mas basicamente achei engraçado!
  • Há uns tempos tinha lido este artigo que me ficou gravado na memória. Tirar um ano sabático, viver apenas com o ordenado de professora da mulher? Mudar de país durante um ano? São coisas para me fascinar. Há pouco tempo voltei a procurá-lo e bastou-me pedir ao Google para procurar algo como “quit job and moved to Norway for a year” para encontrar o que queria. Agora ando a ler, aos poucos, o blogue desta família, mesmo que já lá vão uns aninhos e esta experiência já não passe de uma memória. Curiosamente eu não me posso queixar da minha vida: vivo entre o campo e a praia, tenho o trabalho que sempre quis ter, adoro o que faço, tenho tempo para mim e para os meus hobbies, não tenho uma vida particularmente stressante e ainda consigo dar asas à minha criatividade, de vez em quando. Ainda assim, gosto de me inspirar com vidas como esta e sonho um dia poder fazer algo parecido – apesar de não precisar, ou não querer, ou algo ali no meio. Deixem-se inspirar também: http://blog.ted.com/how-a-ted-talk-inspired-me-to-take-a-mid-career-sabbatical/
    Winston Chen's son, then TK-years-old, walks across a beach on a stormy day. Photo: Winston Chen

Às quartas na net

Hoje trago-vos cinco links que podemos agrupar em duas categorias: a primeira insere-se em estilos de vida minimalistas e despojados de bens materiais supérfluos; a segunda tem a ver com a redução do desperdício e reaproveitamento de “lixo”.

  • Comecemos por um artigo escrito por uma mãe que não comprou praticamente nada para o seu filho, tendo usado apenas roupa e brinquedos em segunda mão e dispensado as supostas “necessidades básicas” como o aquecedor de biberões, a mala das fraldas e outros que tais. Teaser: “So I’ve been lucky, but also resourceful, but mostly just decidedly un-picky about what my kid wears, uses, and consumes. Which is something akin to tough love in the time of Insta-moms and their chic, hyper-curated kids’ wardrobes and Paleo snacks. I mean, my son plays with shoeboxes, and sometimes he wears “girls’” clothes. It just happens; they’re free. “
  • Um artigo longo, mas muito interessante, sobre um reformado norte-americano que vendeu os seus pertences (eu gosto muito destas histórias, não gosto?) e dedica o resto dos seus dias a caminhar.
  • Andava à procura de filmes ou séries ao género “Capitão Fantástico” (em concreto, de uma série que passa supostamente na Netflix sobre pessoas que mudaram radicalmente de vida, alguém sabe??) e encontrei este artigo sobre os livros que o Viggo Mortensen, o pai do Capitão Fantástico, teve de ler para melhor perceber a personagem que teria de representar.
  • Um artigo e um vídeo com dicas para reutilizar os restos de comida que normalmente vão para o lixo, como cascas de ovos e cascas da fruta, e, assim, reduzir o desperdício.

5 Ways to reuse your food scraps…while saving our planet!

5 Ways to reuse your food scraps…while saving our planet!

Posted by Blossom on Friday, June 23, 2017

  • Uma lista exaustiva, mas relativamente fácil de seguir (ok, algumas coisas) de coisas que podemos fazer se quisermos começar a eliminar o plástico das nossas vidas. Já agora, recomendo que vão espreitar outros posts deste site (Zero Waste Chef), especialmente o último post que me chamou imediatamente a atenção, pois deixei de pintar o cabelo, o que, como percebi, faz muita impressão a muitas pessoas, mas para mim é perfeitamente dispensável – apesar da minha mecha de cabelos brancos já ser muito parecida à foto do artigo

Às quartas na net#3

Guardo, para pôr nesta rubrica, artigos que vou lendo e acho interessantes, mas depois chega quarta e a minha cabeça esquece-se. Não vos querendo maçar com uma avalanche de links, deixo-vos apenas com alguns dos que fui guardando ao longo dos últimos meses, numa ordem de temas e importância completamente aleatória.

  • Uma exposição sobre mulheres que gostam de livros e de como eu acho extremamente difícil escolher um só livro que tenha mudado a minha vida. Tenho vários, para cada fase, para cada ciclo, para cada cidade, para cada casa em que vivi… Um top 10, mas só um não.
  • Como uma dermatologista alemã (mas respirem fundo, que o texto está em português) diz aquilo que eu já venho pensando há algum tempo (sim, eu é que a sei toda): o uso excessivo de cosméticos causa problemas de pele. E as tatuagens são só das piores coisas que podemos fazer à nossa pele… o que é pena, porque eu até andava a pensar fazer uma…
  • Para contrariar aquelas pessoas que acham que nós, os tradutores, temos um dicionário na cabeça, este artigo explica bem que os tradutores estão longe de ser dicionários andantes, são apenas pessoas que percebem melhor como funcionam as línguas e têm um domínio superior, relativamente às outras, de duas ou mais línguas. Por isso, da próxima vez que me falhar um sinónimo, give me a break, will you?
  • Por falar em línguas, um artigo em inglês sobre berlinenses que escolheram uma vida frugal. Um casal que deixou uma vida promissora na cidade para se mudar para o campo. Um homem reformado que vendeu tudo e resumiu os seus pertences a 50 objectos. Um homem que também vendeu tudo e vai vivendo por aí, onde calha e em sítios que o inspiram. E uma mulher que, depois de ler o livro da Bea Johnson, decidiu abrir a primeira loja 100% dedicada ao granel em Berlim. Deixem-se inspirar.
  • Sempre quis fazer um projecto destes: uma manta de retalhos que combina retalhos em tecido com croché. Será o projecto ideal para o Verão?
Foto retirada daqui.

Às quartas na net#2

A partir de hoje, vou deixar o trabalho no escritório. Vou deixar de espreitar o e-mail a cada 20 minutos, de responder àquele pedido no meio do supermercado ou de mandar um orçamento enquanto elas tomam banho. Já chega de andar sempre com o trabalho às costas. Chego a casa e faço coisas da casa. Estou com a família. Dedico-me aos meus hobbies. Leio (ando mesmo viciada nos livros da Elena Ferrante), cozinho, quero recomeçar as costuras, e se pegar no computador que seja só para pagar a conta da água ou escrever um post como agora. No entanto, e porque A História do Novo Nome está a chamar desesperadamente por mim, não é ainda hoje que vos vou falar do meu novo escritório e de como (e porquê) decidi separar o trabalho de casa. Calha ser quarta e eu ter alguns links para vos sugerir.

  • Mudar de vida nem sempre passa por tomar medidas drásticas, como mudar de emprego, de casa, de país. Muitas vezes, está apenas em mudar a forma como vemos as coisas ou como nos deixamos afectar por elas. Parece mais fácil do que é, asseguro-vos, ainda assim ler artigos como este faz-me crer que é mesmo possível.
  • Um pouco mais pessimista, um estudo sobre o número de vezes que temos de usar um saco reutilizável (acho que se referem àqueles de plástico reforçado que vendem nos supermercados) para que seja considerado ecológico. Moral da história: não vale a pena comprarem um saco reutilizável de cada vez que vão ao supermercado porque se esqueceram do vosso. Nesse caso, a diferença para o ambiente é praticamente nula. O que conta é levar sempre um saquinho na mala e mudar totalmente a nossa relação com os sacos de plástico, a ponto de comprar sacos reutilizáveis não ser a norma, mas sim a rara excepção.
  • Continuando na senda ecológica, a Moda Lisboa também já começa a dizer não ao desperdício. A prová-lo está esta nova iniciativa de troca de roupas a decorrer no fim-de-semana de 11 e 12 de Março.

E agora, perdoem-me, mas tenho encontro marcado com a Ferrante.